sexta-feira, 7 de setembro de 2007

ACORDA MOSCA

Gostaria de compartilhar um acontecimento inaugural em minha vida.
Há algumas semanas eu recebi o meu primeiro cachet como músico. A quantia é irrelevante, mas o que me chamou a atenção foi o fato de ter recebido algum dinheiro em troca de tocar cavaquinho e cantar por uma hora.
A simbologia da coisa é que acho bonita e interessante. Tocar cavaquinho acompanhado por Marlos Henrique e Rafael Luna, no trio que demos o nome de Acorda Mosca, é uma coisa lúdica, mágica, feliz. É difícil às vezes controlar a emoção, o sorriso aparece sem pedir licença, o flash aesthesis está no ar... (ah! flash aesthesis é o termo de um professor meu para o que eu chamaria de "orgasmo artístico").
Não sou um sujeito pernóstico, pelo menos faço de tudo para não sê-lo, mas não posso ser hipócrita e dizer que não gosto da atenção que algumas pessoas me dispensaram depois da apresentação no Restaurante Terraço, em Garanhuns-PE.
Já toquei em ambientes vários, sempre sem ganhar dinheiro, mas a alegria de estar sendo visto e de saber que as pessoas estão sentindo algo quando eu toco não tem preço - poxa, tive que usar um clichê. Ainda recebo um tratamento diferenciado, as pessoas me abraçam, recebo elogios...
Enfim, não busco apenas o dinheiro ou os mimos dispensados aos músicos, mas só queria deixar registrado e dizer abertamente que é muito bom sim o carinho de quem me ouve. E é pensando nisso também que quero muito ser músico profissional.