domingo, 13 de abril de 2008

CRÔNICA - O METRÔNOMO


- Vai, grava tu primeiro.

- Não, grava tu primeiro.

- Tá bom. Então deixa eu afinar o violão. (...) Liga aí o metrônomo. (TIC TAC TIC TAC TIC TAC...). Eita como é difícil... Mas deixa eu tentar mais uma vez. (TIC TAC TIC TAC TIC TAC...) (Toca, toca, toca...). Não! Cansei! Grava tu vai! Se eu não consigo gravar com metrônomo então o que eu vou fazer? Ficar fazendo release no SEBRAE o resto da vida é? (Chateada, muito chateada...)

- Deixa eu tentar. (Toca, toca, toca...). É, mas mesmo assim ainda não tô conseguindo. Que coisa não?! E se a gente tentar sem o metrônomo?

- Não dá. A gente tem que aprender a gravar com ele.

- E se eu gravar primeiro o cavaquinho?

- Então tenta.

- (Afina...). (Toca, toca, toca...). (Tenta, tenta, tenta...). Isso é difícil mesmo visse?

- Eu não tô legal não. Vamo tirar um cochilo e depois a gente tenta.

(Dorme, dorme, dorme...) (Acorda).

- (Afina o violão de novo). (Toca, toca, toca...). Agora sim! Agora eu tô melhorando. Acho que é tudo uma questão de prática. Passou! Vai essa mesmo! Acho que agora não dá pra gente ter algo melhor. Grava o cavaco agora.

- (Afina o cavaquinho de novo). (Toca, toca, toca...). É realmente a gente melhorou. Mas que trabalho hein?! Isso cansa! E as pessoas acham que música é só diversão... É fogo viu?

- Agora vamo mexer no programa pra gente ver o que pode fazer.

- Enquanto tu mexe aí... Me dá uma caneta e um papel... Acho que vou escrever um negócio ali...

(E depois de pegar ônibus em Maceió, enfrentar o sono e a dor de cabeça, trabalhar na gravação da música, chatear-se com a pouca experiência e a dificuldade de encarar o metrônomo, afinar os instrumentos repetidas vezes, tocar inúmeras vezes a mesma música, sentir o solo do cavaco doendo no juízo, mexer no programa do computador pra equalizar e incluir batidas e tal... Enfim... Depois de tudo isso mostrei o trabalho inacabado a um amigo leigo.)

- Vocês viraram a madrugada pra gravar isso?!?!