terça-feira, 17 de março de 2009

FEMUSESC: FESTA FECHADA PARA CONVIDADOS

O FEMUSESC é um festival de música considerado o maior e mais importante festival de Alagoas. Este ano, nos dias 13 e 14 de março, tivemos a 11ª edição do festival, com apresentação de músicas produzidas em Alagoas, além de O Teatro Mágico e Jorge Vercilo. Todas as músicas selecionadas para o festival são gravadas em CD e DVD e participam do Projeto Circulação SESC de Música Alagoana, com apresentações em cidades alagoanas. A música vencedora (de quê?) representa Alagoas no FEMUCIC, em Maringá-PR.
O FEMUSESC começa sua bagunça pelo nome. Em anos anteriores, ele era anunciado como festival, porém sua sigla foi modificada para Festa da Música do SESC. Ora, se mudou de nome, então estamos na 11ª edição do festival ou da festa? As pessoas ainda falam “o” FEMUSESC, mas, agora, deveria ser dito “a” FEMUSESC. Porém esta mudança de “Festival” para “Festa” foi criada para legitimar as contradições de um evento no mínimo estranho.

De toda forma, “a” ou “o” FEMUSESC é muito desorganizado! Não possui edital que defina os critérios, as notas para cada quesito e outras informações para que as músicas sejam escolhidas de maneira justa.

Em 2009, foram inscritas 270 músicas, até 13 de fevereiro. Três dias depois, em 16 de fevereiro, as canções selecionadas para se apresentar no estacionamento do Jaraguá já estavam arroladas no site do SESC. Ora, como ouvir e julgar 270 músicas num final de semana apenas? Quais foram os critérios de eliminação?

Como as canções são escolhidas, atualmente? Pelo famoso “Q.I.”, o “Quem Indica”. Um ex-funcionário do SESC descortinou para este escriba como funciona.

Num FEMUSESC passado, havia uma comissão para escolher a música vencedora. Nesta comissão havia um professor da Universidade Federal de Alagoas. Ao final das apresentações, o professor votou numa determinada canção, mas foi “encorajado” a observar melhor para uma outra. O professor, após uma certa pressão, votou na canção que o pessoal do SESC queria!

Também num FEMUSESC passado, um cantor inscreveu a gravação apenas de sua voz, sem acompanhamento de instrumento algum. E foi selecionado! Enquanto isto, outras bandas gastam seus parcos recursos em horas de estúdio para gravar algo de qualidade e não são selecionadas. Ademais, como música instrumental concorre com música mista (instrumental e vocal)? A letra e os arranjos das canções são analisados? Um cantor ou uma banda já conhecida em Maceió tem mais chance de entrar no festival?

São questões pertinentes a fim de moralizar o FEMUSESC, que atualmente seleciona as pessoas pelo grau de conhecimento com os funcionários do setor de música do SESC. Uma dica: observem o edital do FEMUARTE, o Festival de Música e Arte de Garanhuns-PE. Percebam a diferença na organização de um festival. Tudo bem que o FEMUARTE cobra R$ 50 por música inscrita, mas, se o SESC consegue realizar um festival sem cobrar inscrição, que o faça da melhor forma possível!